Centro de Difusão Tecnológica (CDT) é símbolo de sustentabilidade e fomento da agricultura familiar

Por meio de diversas pesquisas e experimentos, o CDT busca transformar a realidade de centenas de produtores rurais de Roraima

Por: Marcus Miranda | Foto: Divulgação


A Prefeitura de Boa Vista não tem medido esforços para trazer desenvolvimento para Roraima por meio de tecnologias desenvolvidas no setor agro, beneficiando diretamente centenas de produtores rurais que vivem da agricultura familiar. Todo este trabalho acontece por meio de novos experimentos que acontecem no Centro de Difusão Tecnológica (CDT) onde são feitas diversas pesquisas envolvendo diferentes técnicas de cultivo e o que há de mais moderno e inovador neste segmento.

Coordenado pela Secretaria Municipal de Agricultura e Assuntos Indígenas (SMAAI), o CDT, localizado na Região do Bom Intento, foi criado em 2018 e, por alguns anos, servia somente como depósito de máquinas e de insumos do Plano Municipal do Desenvolvimento do Agronegócio (PMDA), que desde sua implantação (2018) já beneficiou 1.100 famílias, com investimentos que chegam a quase R$ 28 milhões.

O CDT vem intensificando o campo experimental e como o próprio nome diz, a proposta é difundir a tecnologia, organizando as pesquisas de campo para que o produtor possa acompanhar os experimentos das culturas, técnicas de manejo e mecanização. Todas as pesquisas e ensaios servem de base para tomada de decisão tanto da parte técnica da SMAAI, como dos agricultores que buscam informações.

AUTOSSUFICIENTES – Na gestão do prefeito Arthur Henrique, o CDT se tornou, de fato, um centro de pesquisa de Roraima e hoje, é considerado referência para todo o Estado. De acordo com Guilherme Adjuto, secretário municipal de Agricultura e Assuntos Indígenas (SMAAI), foram muitos avanços desde então, com destaque para a cultura do milho, que era pouco difundida em Roraima.

“No caso do milho, os índices produtivos de Roraima aumentaram significativamente. Antes importávamos o grão e hoje nos tornamos autossuficientes, com potencial para sermos exportadores. Com muita pesquisa, junto a Embrapa, tornamos o cultivo viável aos pequenos produtores, inclusive indígenas, proporcionando geração de renda para essas famílias”, disse.

Guilherme complementa ainda, que a produção de milho também beneficia, diretamente, toda cadeia de criação de animais, oferecendo segurança aos criadores de aves e suínos, refletindo diretamente no preço de alguns produtos ao consumidor final.

“Tem efeitos econômicos consideráveis para Roraima, visto que hoje em dia você vai ao mercado e encontra aquele frango vindo, em sua maioria, do sul do país. Esse milho, sendo produzido em Roraima e vendido mais barato, viabiliza a produção de frango para corte e galinha de postura (ovos), refletindo também no preço da carne suína e bovina”, explicou.

SUSTENTABILIDADE – O CDT é também, símbolo de sustentabilidade. Na AgroBv do ano passado, foi lançado o Sistema de Irrigação Fotovoltaica, que contém seis painéis com 440W de potência.

Por meio dele, a luz do sol captada e se transforma em energia elétrica, reduzindo custos com diesel, por exemplo. Ao todo, foram entregues aos produtores 35 kits, cinco para as comunidades indígenas e 30 aos que fazem parte do PMDA.

VITRINE AGRO – Por fomentar de forma expressiva a agricultura familiar, o CDT se tornou uma verdadeira vitrine não só para grandes empresas, mas principalmente para as famílias que vivem da agricultura familiar.

Com a proposta de abrir espaço para esses pequenos produtores, a prefeitura promoveu, em março deste ano, o 1º Dia de Campo Sobre Hortifrútis de Boa Vista, onde além de fomentar a comercialização do que eles produzem, ofereceu conhecimento e capacitação, por meio de palestras sobre o tema.

Comente

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios *.

Isso vai fechar em 20 segundos