IFRR leva oficina de piscicultura para comunidade indígena em Pacaraima

Oficina faz parte do PeixaRR, projeto de extensão desenvolvido pelo Campus Amajari do Instituto Federal de Roraima

Com informações do IFRR | Foto: IFRR

Os moradores da Comunidade Indígena Tarau Parau, localizada no Município de Pacaraima, participaram de uma oficina de piscicultura, promovida pelo Instituto Federal de Roraima (IFRR). A ação integra as atividades do Programa de Fortalecimento da Piscicultura de Base Familiar e Comunitária do Estado de Roraima (PeixaRR), projeto de extensão do Campus Amajari do Instituto Federal de Roraima (CAM/IFRR).

A Comunidade Tarau Paru é composta por indígenas oriundos da Venezuela. Segundo o coordenador do projeto, professor Lucas Comasseto, a demanda surgiu da própria comunidade, que pediu orientações iniciais sobre como trabalhar com a piscicultura. “Esta é uma ação que visa fortalecer as iniciativas de produção de peixe nas comunidades indígenas e, principalmente, subsidiar a produção de alimento para esses povos. O foco principal é trabalhar a questão da segurança alimentar para atender à demanda dos indígenas que vivenciam dificuldades ao migrar para o Brasil. A ideia principal é dar apoio para que eles produzam”, disse.

Ainda conforme Comasseto, esse trabalho também é uma forma de divulgar as ações do CAM e os cursos ofertados pela unidade, como os de nível técnico e superior na área de Aquicultura. “Isso desperta o interesse de alunos que buscam capacitação e formação profissional de nível técnico e superior no CAM. Outro ponto importante é a integração das atividades desenvolvidas em sala de aula, por meio dos componentes curriculares, com as atividades práticas realizadas pelos alunos nas comunidades. Por isso, damos oportunidade para eles participarem dos projetos de extensão”, concluiu.

PeixaRR

É um projeto de extensão que tem como objetivo proporcionar segurança alimentar às famílias beneficiadas, por meio da distribuição de alevinos e da prestação de serviços gratuitos de assistência técnica e extensão rural. Desde o início do projeto, já foram entregues mais de 600 mil alevinos a 31 famílias indígenas no Amajari, no Bonfim, em Pacaraima, no Cantá, em Boa Vista e no Alto Alegre.

Comente

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios *.

Isso vai fechar em 20 segundos