Denarium tropeçou na própria língua e agora precisa prometer o que já foi prometido em 2018

Parece que o governador de Roraima Antonio Denarium (PP) bateu a cabeça e perdeu a memória. Agora, há menos de três meses das eleições, internautas estão resgatando vídeos da época em que o até então empresário Antonio Olivério Garcia de Almeida fazia promessas caso chegasse ao Palácio Senador Hélio Campos.

Surfando na onda Bolsonaro e com um jargão recém criado à época, Denarium afirmava com todas as letras sua frase: “Dinheiro têm. O que falta é gestão”. A campanha foi vencida, mas começava naquele momento os dias mais desgastantes da vida do novo gestor.

Comandando o caixa do Governo com mãos de ferro, calculadora na mão e centralizando tudo o que pagava, o governador enfrentou greves até chegar ao momento mais crítico que foi a pandemia. Foi nesse ponto que o governador se viu num labirinto escuro.

Após denúncia da imprensa de que a Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) comprou os respiradores mais caros do Brasil, descobriu-se também que o pagamento havia sido feito antecipadamente no valor de R$ 6,4 milhões e que os equipamentos só seriam entregues em até 60 dias. O secretário Francisco Monteiro caiu e Denarium afirmou que não sabia de nada.

Enquanto isso, pacientes morriam por falta da UTIs no Hospital Geral de Roraima. Foram momentos de terror com pilhas de corpos empilhados nos leitos e corredores. Paralelo a isso, a Polícia Federal investigava superfaturamentos, desvios e influência de políticos roraimenses dentro do Governo de Roraima.

O senador Chico Rodrigues foi encontrado com R$ 30 mil na cueca. O Ministério Público Federal (MPF) descobriu que máscaras, álcool em gel e kits foram superfaturados. Tudo debaixo das barbas do chefe do executivo estadual.

Lá se vão três anos e oito meses e agora Denarium precisa prometer tudo novamente. Após guardar dinheiro por anos resolveu abrir o caixa no ano de eleição para mandar dinheiro para prefeitos aliados, dizer que agora vai arrumar estradas, ajudar os produtores e reformar as escolas. Somente agora no final podemos, enfim, justificar o título desse texto: “Denarium tropeçou na própria língua e agora precisa prometer o que já foi prometido em 2018”.

Comente

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios *.

Isso vai fechar em 20 segundos