Em relatório preliminar, Ministério Público aponta vazamento de material contaminado pelo forro do HGR 

A direção do hospital relatou, ainda, que a obra do prédio já apresentou falhas estruturais logo que foi entregue

Com informações da Ascom MPRR | Foto: divulgação

A Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde do Ministério Público de Roraima (MPRR) confirmou na última sexta-feira, 26 de agosto, que houve vazamento de material contaminado pelo forro do Bloco E, do Hospital Geral de Roraima (HGR), inaugurado em março deste ano. O Promotor de Justiça, Igor Naves, instaurou procedimento no mesmo dia em que imagens do local foram divulgadas na internet. 

“Quanto ao episódio ocorrido no Bloco E do HGR, em que um vídeo foi divulgado nas redes sociais mostrando que havia substância líquida de coloração avermelha vazando pelo forro, de imediato foi instaurado o competente procedimento investigatório e determinado às equipes médica, de diligência e de engenharia do Órgão que comparecessem ao local para vistoria, levantamento de informações e confecção dos respectivos relatórios, cuja diligência foi realizada na manhã de quinta-feira, dia 25 de agosto”, salientou o Promotor.

O relatório preliminar da diligência ao hospital constatou que houve o vazamento e contaminação no local. A direção da unidade de saúde confirmou o ocorrido. 

“O encanamento do esgoto em que se descarta o expurgo da UTI, localizada no bloco G, segundo andar do prédio denominado bloco José de Anchieta Júnior, começou a vazar e provocou a queda de parte do forro da copa do bloco F, primeiro andar. Portanto, os diretores confirmaram que o líquido vazado é oriundo do expurgo da UTI que fica logo acima da copa, onde são despejados secreções, sangue, entre outros”, narra trecho do relatório do MPRR.

A direção do hospital relatou, ainda, que a obra do prédio já apresentou falhas estruturais logo que foi entregue.

“Cabe salientar que a empresa COEMA, responsável pela construção do prédio, entregou a obra com o aval da Secretaria de Infraestrutura do Estado – SEINF e logo após já começou a apresentar alguns problemas, principalmente de vazamento na tubulação e infiltração no teto e nas paredes de algumas salas, conforme relato dos servidores”, diz o relatório. 

“O Ministério Público, por meio da Promotoria de Defesa da Saúde, está sempre atento às condições das unidades de saúde desta capital, que necessitam de especial e urgente atenção do Poder Público.  As medidas cabíveis serão adotadas tão logo sejam esclarecidas as causas e consequências do ocorrido”, destacou o Promotor Igor naves.

Comente

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios *.

Isso vai fechar em 20 segundos