Covid-19: Uso de máscara em locais abertos não será mais obrigatório em Boa Vista

Já a liberação do uso de máscara em locais fechados será debatido no dia 19 de março

Com informações de Prefeitura de Boa Vista | Foto: Fernando Teixeira

A partir desta terça-feira (8) a população de Boa Vista está liberada do uso de máscara de proteção contra a Covid-19 em ambientes abertos. A decisão foi tomada pelo  Comitê de Combate à Covid-19 da Prefeitura de Boa Vista e está no decreto 21/E que será publicado no Diário Oficial do Município.

Outra medida foi o retorno 100% presencial dos atendimentos nas secretarias e órgãos públicos, independente de agendamento, a partir da próxima segunda-feira (14). A decisão levou em conta os baixos números de novos casos de Covid-19 na Capital, bem como a queda no número de internações tanto em leitos clínicos, como em leitos de UTI. 

De acordo com o boletim epidemiológico do Governo do Estado deste domingo, 6, o Hospital Geral de Roraima, por exemplo, está com apenas 26% dos leitos de UTI ocupados e o Hospital da Criança permanece com apenas 20% de ocupação.

Uso de máscara em locais fechados permanece obrigatório 

Apesar do afrouxamento nas medidas de combate a covid-19, o uso da máscara em locais fechados permanece obrigatório. Para aqueles que estão gripados ou com sintomas de doenças respiratórias, a recomendação é pelo uso da máscara, mesmo em locais abertos.

Já a liberação do uso da máscara em locais fechados será debatido pelo Comitê no dia 19 de março, levando em consideração o cenário epidemiológico e o avanço da vacinação no município. 

Dados

De acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), houve redução de 94,4% no número de casos confirmados da Covid-19 em Boa Vista entre os dias 6 de janeiro e 26 de fevereiro.

A taxa de positividade para o vírus, por exemplo, que chegou a 43,80% na semana três, baixou para 4,76% na semana oito. A procura por testes também caiu em Boa Vista. Enquanto que na semana três foram 7.176 testes dentro das unidades básicas de saúde, na semana nove, por exemplo, o número foi de 670. 

Desde o início do ano, as oito UBS exclusivas a casos de covid-19 faziam mais atendimentos do que as demais 25 UBS (“não covid”) juntas. A partir da semana seis, que compreende a data de 6 de fevereiro, esse cenário mudou. As UBSs covid passaram a receber cada vez menos procura por atendimentos.

Comente

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios *.

Isso vai fechar em 20 segundos