Preciso ser amada

Ana acorda cedo todos os dias e, enquanto a família dorme, prepara o café, adianta o almoço, coloca as roupas na máquina e assusta-se ao perceber que está quase atrasada para primeira reunião do dia. Ela pensa: depois da pandemia me sinto mais cansada, trabalhar no modelo home office já não me parece tão bom quanto antes. Corre e se prepara para mais um dia de trabalho, nesse mesmo tempo, acorda marido e filhos e avisa que o café já está pronto. Enquanto eles tomam café, Ana assume o papel de profissional e dá início a reunião.

Talvez você tenha se identificado com a história acima e, assim como a Ana, também tem assumido muitos compromissos, pois aprendeu a atender a todos. Dizer não é um ato de rebeldia e isso não combina com você. Está sempre pronta para ajudar, não importa quem esteja pedindo, você vai lá e faz. Muitas vezes levou trabalho para casa, pois precisava “dá uma mãozinha” para que a amiga concluísse aquele relatório atrasado.

Dizer sim para quem nos pede ajuda não é de todo ruim, a grande questão é que nós mulheres, temos a estranha mania de atender a todos, menos a nós mesmas. Temos tempo para levar a mãe ao supermercado, ajudar o marido nas contas do mês, levar e buscar os filhos para lugares que eles poderiam ir de outra forma (você sabia que existe ônibus, lotação, aplicativos de transporte e muitas outras opções de locomoção?), mas vamos continuar, não ligue se vez ou outra ou dê uma surtada, faz parte do meu DNA.

Enfim temos tempo para tudo e todos, mas não temos tempo para atender as nossas necessidades. Somos solícitas e boazinhas, fazemos isso para sermos aceitas, amadas, evitar conflitos, por achar que somente nós podemos fazer bem-feito e para nos sentirmos úteis. Fomos criadas para servir, isso mesmo, se você nasce mulher, está predestinada a cuidar, e para piorar, inventaram o “fenômeno mulher maravilha” que diz que para ser uma mulher de verdade é preciso ser forte o tempo todo.

Temos muito a falar, assuntos que nos colocam em segundo plano. Estamos adoecendo, vivendo no piloto automático, deixamos de lado as questões valiosas que nos fazem felizes, na expectativa de sermos amadas. Será mesmo? Será que para sermos amadas precisamos nos doar a ponto de não valorizarmos nossos sonhos e necessidades? Se você se encaixou nessa história, sente-se cansada e frustrada, saiba que não está sozinha, juntas construiremos um caminho que permita ser quem realmente somos sem deixar de atender aqueles que amamos.

Cristiani Plácida

Administradora, Consultora, Analista Comportamental e Coach.

25 thoughts on “Preciso ser amada

  1. Me identifico com muitos pontos mencionados, e tenho consciência de que preciso mudar, fazer algo, me amar mais.

  2. Boa tarde! Podemos e devemos mudar isso.
    Cabe a nós não criarmos machistas.
    Não estimular atitudes desse “gênero”.
    Somos humanos/pessoas, com atitudes. Só devemos cultivar o Amor e espalhar o Amor. Com isso a vida ficará leve e boa, para todos. Sem cobrança, sem Mulher Maravilha, sem Isso é coisa de homem ou Homem não chora.

  3. Bem interessante e verdadeiro seu texto. Apesar de grandes avanços, hoje a mulher ainda tem que ser a “mulher maravilha” para dar conta de tantas tarefas. Verdade que muitos companheiros compartilham, mas ainda assim , a luta diária está aí para muitas de nós.

  4. Infelizmente ainda temos muitas mulheres querendo ser a mulher maravilha, mulheres que ainda não entenderam a importância de dizer sim pra si a cada não necessário que precisa ser dado ao outro.
    Parabéns Cris.
    SUCESSO PRA VOCÊ MARAVILHOSA

Comente

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios *.

Isso vai fechar em 20 segundos