Vacina contra Covid-19 será adicionada ao Calendário Nacional de Vacinação em 2024

A vacinação priorizará crianças de 6 meses a 5 anos e grupos de alto risco, como idosos, gestantes, trabalhadores da saúde e comunidades vulneráveis

Por: Redação | Foto: Divulgação


A partir de 2024, a vacinação contra a Covid-19 passará a ser anual para crianças de 6 meses a menores de 5 anos e grupos prioritários, conforme avaliação da Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização da Covid-19 (CTAI), anunciada em coletiva do Ministério da Saúde, na última terça-feira (31).

Conforme decisão, a recomendação vai priorizar idosos, imunocomprometidos, gestantes e puérperas, trabalhadores da saúde, pessoas com comorbidades, indígenas, ribeirinhos e quilombolas, pessoas vivendo em instituições de longa permanência e seus trabalhadores, pessoas com deficiência permanente, pessoas privadas de liberdade maiores de 18 anos, adolescentes e jovens cumprindo medidas socioeducativas, funcionários do sistema de privação de liberdade e pessoas em situação de rua.

“Há um conjunto de doenças definidas dessa forma, como o sarampo, a coqueluche, a influenza e a Covid-19 também passou a integrar o Departamento do Programa Nacional de Imunizações. A Covid-19 é uma doença de constante monitoramento, requer atenção e por isso temos fortalecido as ações de prevenção por meio do Movimento Nacional da Vacinação”, explicou Ethel Maciel, secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente.

No Brasil, há um tendência de oscilação no número de casos da Covid-19. Até o dia 27 de outubro, houve o registro de 37.905.713 casos de infecção e 706.531 mortes, conforme Painel Coronavírus, do Ministério da Saúde. Foram aplicadas 548.291.465 doses entre vacinas monovalente e bivalentes contra Covid-19 até o final de outubro deste ano.

A vacina, disponibilizada gratuitamente no SUS, continua sendo a principal medida de combate às formas graves de infecção do vírus. Os imunizantes têm eficácia e segurança comprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e seguem orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde para aplicação. “Além disso, as vacinas passam por um rigoroso processo de estudo de qualidade antes de serem incorporadas ao SUS”, ressaltou Nísia Trindade, ministra da Saúde.

Comente

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios *.

Isso vai fechar em 20 segundos